sábado, 27 de setembro de 2014

Dicas de Livros: A Conquista do México



O saldo da conquista espanhola no México? 20 milhões de nativos mortos. Seja por guerras ou por doenças trazidas pelos europeus. O livro é composto por cinco cartas que Cortez enviou ao imperador Carlos V, contando tudo que ocorreu naquelas longínquas terras do novo mundo. O relato vai desde sua partida da ilha de Cuba até a conquista da maior cidade do Império Asteca: a maravilhosa Tenochtitlán. Essa cidade era o coração do Império Asteca, possuíra modernos canais de navegáveis (para a época), aquedutos, mercados, jardins e uma máquina de guerra que até os espanhóis se surpreenderam.

Pode-se observar nesse livro o violento embate das culturas indígenas e europeias e consequentemente o extermínio de uma delas. 

Fonte da Imagem:

http://skoob.s3.amazonaws.com/livros/42248/A_CONQUISTA_DO_MEXICO_1249677078P.jpg

Por: Lúcio Nunes

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

Os Cavaleiros e a Mitologia: Os Cavaleiros Negros

Os cinco principais cavaleiros negros.

Sei que esse texto não tem uma relação direta com a disciplina de História, porém, tem relação com o que já foi postado lá no início dos posts dos Cavaleiros e a Mitologia (série bronze). Resolvi fazer um resumo dos Cavaleiros Negros (e de suas respectivas batalhas contra os cavaleiros de Atena) que aparecem no anime e fazer uma postagem especial.
No mangá cada cavaleiro de Atena possui uma réplica (um cavaleiro negro) que teoricamente seria o oposto do que o verdadeiro cavaleiro de Atena era. Esses cavaleiros viviam na Ilha da Rainha da Morte onde receberam seus devidos treinamentos. Os cavaleiros negros que aparecem no anime (os mais fortes), seriam representações dos quatro cavaleiros do apocalipse).
Saori kido revelou que o torneio da Guerra Galáctica ao qual havia formulado serviria para atrair o grande mal que seu avo Mitsumasa Kido havia pressentido. Ikki de Fênix, cavaleiro de bronze, se revolta contra todos os demais cavaleiros de bronze e convoca todos os Cavaleiros Negros da Ilha da Rainha da Morte para roubar o prêmio do torneio da Guerra Galáctica: A armadura de ouro de Sagitário. Na tentativa de efetuar o roubo Fênix conseguiu seu objetivo parcialmente, já que entre todas as partes da armadura só lhe faltou o elmo.
Como precisava da armadura completa, Fênix convoca os guerreiros de bronze de Atena para uma batalha contra os seus melhores cavaleiros. Esses eram conhecidos como “Os Veteranos” os simplesmente como “Os Quatro Cavaleiros do Apocalipse”.
Citado de maneira sucinta nos post dos Cavaleiros de Bronze, veremos quem são esses cavaleiros.
O texto a seguir detém conteúdos sobre o enredo da batalha entre Os Cavaleiros Negros contra os Cavaleiros e Bronze, caso você não tenha visto e deseja ver a série não recomendo que leia o texto.

Kenuma de Pégaso Negro


Este era responsável pela cintura da armadura de ouro de Sagitário e enfrentou Seiya de Pégaso. Pégaso Negro foi o primeiro dos quatro grandes Cavaleiros Negros a enfrentar os Cavaleiros de Bronze. Na batalha contra Seiya é derrotado com extrema facilidade, porém, desfere um golpe terrível que fere gravemente o Cavaleiro Seiya de Pégaso.

Golpes

- Meteóro Negro (O Veneno da Morte Negra).

Jido de Cisne Negro


É o segundo Cavaleiro Negro a enfrentar os guerreiros de Atena e enfrentou Hyoga de Cisne no épico combate entre o Cisne branco contra o Cisne Negro. Jido era o detentor das ombreiras da armadura de Sagitário.
No início do combate Hyoga afirma que o vencedor deste será o cavaleiro digno de receber a proteção da constelação de Cygnus (constelação protetora dos dois cavaleiros até então). Em mais uma batalha “fácil” Hyoga derrota o pupilo de Ikki. No momento decisivo da batalha, Jido lança seu poderoso golpe “Nevasca das Trevas”, mas, Hyoga utiliza seu potente “Trovão Aurora” e define o combate. Mesmo quando derrotados os Cavaleiros Negros impunham grandes dificuldades aos Cavaleiros de Atena. Primeiro foi Kenuna que atingiu brutalmente Seiya, nessa batalha, Hyoga obteve um grande revés: Antes de morrer Jido quebra o símbolo do cisne negro de seu elmo (local onde armazenava toda a sua experiência de batalhas) e o envia para Ikki. Sendo assim, quando o Cavaleiro de Fênix enfrentasse Hyoga já saberia o que fazer para derrotar o Cavaleiro de Cisne.

Golpes

- Nevasca das Trevas (Tempestade Negra de Gelo).

Andrômeda Negro


Terceiro Combatente do desafio proposto por Ikki aos Cavaleiros de Atena. Andrômeda Negro enfrentou Shun de Andrômeda.  Esse cavaleiro se mostra totalmente o oposto de Shun: É extremamente cruel e insensível. Este cavaleiro era responsável pelo corpo da armadura de Sagitário.
Shun havia encontrado Seiya que estava quase morto após ter recebido o meteoro negro do Cavaleiro Kenuma de Pégaso Negro. Seiya estava inconsciente e havia caído de um penhasco. Shun lança a sua corrente para salvá-lo e nesse exato instante surge o Cavaleiro de Andrômeda da Negro.
No duelo das correntes de Andrômeda o Cavaleiro Negro fez as honras da casa e lançou a sua corrente negra sobre Shun. Quando as correntes encostaram-se ao corpo de Shun imediatamente se transformaram em serpentes negras.
Seiya percebe que esta sendo um peso morto na corrente de Shun (que estava amarrada ao seu punho) e acaba cortando a corrente caindo no penhasco.
Shun de Andrômeda se enfurece com a perda do amigo e lança todo o seu poder contra o Cavaleiro Negro derrotando-o.

Golpes

- Corrente Negra (que se transforma em serpente)

Shinadekuro de Dragão Negro


É o quarto e último Cavaleiro do Apocalipse a enfrentar os Cavaleiros de Bronze no Desafio de Ikki de Fênix.
Shiryu havia regressado do encontro com Mú (Cavaleiro de Áries) para recuperar as armaduras de Pégaso e de Dragão que haviam ficado seriamente danificadas após a Guerra Galáctica. Shiryu para conseguir a restauração completa das armaduras teve que doar o próprio sangue como matéria prima.       Por esse motivo o Cavaleiro de Dragão foi advertido por Mú de Áries que se ousasse lutar e perdesse muito sangue iria morrer. Desobedecendo aos conselhos de Mú, Shiryu partiu para a batalha e enfrenta o terrível Dragão Negro.
Shinadekuro não tinha amigos e não acreditava na amizade ao contrário de Shiryu que arriscou a própria vida pelos amigos. No momento decisivo da batalha ambos disparam seus golpes mais fortes (Dragão Negro utiliza a “Cólera do Dragão Negro” e Shiryu o seu “Cólera do Dragão”).
Shinadekuro é atingido mortalmente, porém, seu golpe faz com que Shiryu perca muito sangue consequentemente deixando-o agonizando. Antes de morrer o Cavaleiro de Dragão Negro revela a Shiryu que ele detém o poder de tirar e devolver a vida a seus oponentes. Ele atinge um ponto vital de Shiryu e estanca a sua hemorragia. Logo em seguida lamenta não poder ter aprendido o que era amizade, mas, acaba acreditando que ela existe graças ao empenho de Shiryu.
No mangá existe também outra versão do Cavaleiro Negro de Dragão, contudo, esse dragão negro é cego. Shiryu o enfrenta dentro de uma caverna sem nenhuma luminosidade o derrota com dificuldade.

Golpes

- Cólera do Dragão Negro.

Ritahoa de Fênix Negro


Na verdade existe uma infinidade de cópias do Cavaleiro de Fênix, mas, Ritahoa é o que podemos chamar de “cópia fiel”. Ele é o grande Cavaleiro de Fênix Negro e se manteve escondido na Ilha da Rainha da Morte.
Ele enfrenta Ikki de Fênix (que acaba se aliando aos cavaleiros de bronze após as batalhas e se rebelando contra o santuário grego) e é derrotado.

Golpes

- Espírito diabólico de Fênix Negro (Golpe Fantasma de Fênix das Trevas).

Fontes:












Por: Lúcio Nunes

Os Cavaleiros e a Mitologia: Geki de Ursa Maior (ou Geki de Urso)

*Esse post contém spilers.

 Hoje apresentaremos o cavaleiro de bronze secundário Geki de Ursa Maior.

Geki de Ursa Maior.

Geki, o Urso Gigante!

Assim como os demais cavaleiros, Geki cresceu na fundação Graad e foi selecionado para se tornar um cavaleiro protetor da deusa Atena. No sorteio que decidiu o seu destino, Geki foi mandado para o Canadá onde treinou por seis anos para receber a armadura de Urso. Entre o duro treinamento que o cavaleiro de Urso enfrentou, destacam-se as lutas corpo a corpo que ele travava com ursos selvagens, geralmente estes eram derrotados com facilidade devido à força extraordinária de Geki.
Duelo entre Geki e Seiya.
Após conquistar a armadura sagrada, Geki retorna para o oriente para a disputa da Guerra Galáctica. Por azar, enfrenta Seiya de Pégaso e é derrotado no primeiro combate. Percebendo a superioridade dos demais cavaleiros, Geki de Urso retorna ao Canadá para desenvolver e evoluir suas técnicas.
Na batalha do Santuário, derrotou diversos soldados rasos e ajudou a montar guarda para proteger a deusa Atena.            
Durante a Guerra Santa contra Hades, Geki ajuda a proteger Seika irmã de Seiya de Pégaso do ataque do deus Thanatos.

Geki: Um Instrutor de Lutas

No século XXI na saga Omega dos Cavaleiros do Zodíaco, Geki é um ex-cavaleiro e vira instrutor na Palaestra (uma instituição de ensino para cavaleiros de bronze criada por Saori Kido). O ex-cavaleiro de Urso é um instrutor diferente, pois, não segue a risca as regras da instituição e percebe que Kouga (Cavaleiro de Pégaso do século XXI) é diferenciado. Ele ajuda Kouga a despertar o golpe meteoro de pégasos ao contar a história de sua luta contra Seiya no torneio da Guerra Galáctica.
Quando a Palaestra é atacada por guerreiros de Marte, Geki é o primeiro a enfrenta-los, porém, acaba sendo preso.

Particularidades da Armadura de Urso

Armadura de Ursa Maior.

Essa armadura não detém nenhuma arma ou particularidade em especial.

Outras Armaduras

Por ser um cavaleiro secundário Geki não conseguiu desenvolver seu cosmo até o limite como os principais cavaleiros de bronze, mas, aqui no nosso post ele terá a sua armadura Kamui.

Armadura de Ursa Maior.

E se o Geki herdasse uma armadura de ouro, quem ele seria?

Geki utilizando a armadura de Ouro de Touro

A Lenda dos Ursos

O aquecimento da Terra pode prejudicar a existência do urso polar,

Os ursos desempenham uma importante contribuição para os povos indígenas do Ártico, principalmente em sua cultura material. Isso pode ser percebido através do encontro de restos desses animais em sítios arqueológicos e pinturas rupestres encontradas nessa região que datam por volta de 2 mil anos atrás. Entre os povos citados, são inúmeras as quantidades de lendas e folclores que giram em torno da figura do Urso. Podemos citar entre esta a de que para os povos indígenas do ártico, os ursos eram seres humanos quando estavam dentro de suas casas e que vestiam peles para a caçada na neve. Talvez, essa crença tenha surgido pelo fato de que os ursos assemelham-se a seres humanos quando estão em pé ou sentados.
As habilidades de caça e iglus, além de sobrevivência no gelo dos povos do ártico, estão sendo atribuídas como herança dos ursos.

Ficha Técnica do Cavaleiro de Urso

Nome: Geki de Urso
Classificação: Cavaleiro de Bronze (Século XX) Instrutor da Instituição Palaestra (Século XXI)
Idade: 15 Anos (Século XX) 40 Anos (Século XXI)
Local de Nascimento: Japão
Altura: 1,88 cm
Peso: 102 Kg
Treinamento: Canadá
Mestre: ? ? ?
Armadura:  Ursa Maior
Golpes: Abraço do Urso
Constelação: Ursa Maior
Signo Zodiacal: Touro
Deus que Protege: Atena



O post de Geki de Urso é o último da série de bronze dos Cavaleiros e a Mitologia.

Fontes:












Por: Lúcio Nunes

sábado, 13 de setembro de 2014

Teorias Sobre as Origens da Mitologia


Zeus, o deus dos deuses.

Teoria Bíblica – As lendas mitológicas teriam sua origem nas narrativas das escrituras sagradas. Porém, os fatos foram modificados. Há algumas coincidências entre as escrituras e as histórias mitológicas, contudo, essa teoria não consegue explicar a grande parte das lendas.

Teoria Histórica – Os personagens mitológicos eram seres humanos reais, porém, com o passar do tempo, as histórias (e os contos) ganharam acréscimos (fantásticos) ou embelezamentos (artísticos, filosóficos, históricos). Por exemplo, Éolo era conhecido como o "deus dos ventos". Conta-se que ele era o rei de uma ilha e que ensino a arte da navegação e a utilização do barco a vela. Talvez, por isso, atribuíra-lhe a "supremacia dos ventos".

Teoria Alegórica – Os mitos eram alegóricos e simbólicos, ou seja, as histórias possuíam algo que deveria ser ensinado (algo filosófico, moral, religioso ou histórico). Com o passar dos anos, as alegorias e símbolos foram deixados de lado e interpretados como literalmente um fato. Um exemplo dessa teoria pode ser vista no mito de Cronos. Ele é  o Titã responsável pelo tempo. Segundo as lendas, ele devorava seus filhos com o receio de perder seu poder para algum (como de fato perdeu, para Zeus). A alegoria dessa lenda reside no fato de o "tempo" tudo criar e tudo "devorar". Tudo "nasce" e tudo "morre", porém, o tempo permanece.

Teoria Física – As divindades da mitologia estavam ligados a coisas reais, ou seja, era a personificação das coisas (sejam elas naturais ou artificiais). Talvez, seja a teoria mais ajustada com os mitos. Cada deus corresponde a algo da natureza ou ainda, algo produzido pelo homem (como Dionísio, que, na mitologia grega é o deus do vinho).

Fontes: 

O Livro de Ouro da Mitologia (pág. 288)

http://th04.deviantart.net/fs71/PRE/f/2010/194/f/f/Father_Zeus_by_GENZOMAN.jpg

Por: Lúcio Nunes